Google+

12 de fevereiro de 2013

IRRACIONALIDADE PAULISTA

Foto: Jorge Lettry



A foto mostra um Peugeot 203 numa prova de subida de montanha na serra velha de Santos, em 1958. Um policial rodoviário, em sua Indian, certamente engajado no policiamento da competição, observa.

Esta e várias fotos que têm circulado pela internet há vários meses foram feitas por Jorge Lettry para um jornal dedicado a automóveis chamado HP, que cobria automobilismo. O Jorge era colaborador do HP e que naquele mesmo ano entraria para a Vemag, no Departamento de Testes, e em pouco tempo se tornaria o responsável pelas competições na fábrica do DKW, onde faria história como chefe de uma lendária equipe de competição oficial.

Conheci-o dois anos depois, iniciando-se uma longa amizade que duraria até sua morte em 16 de maio de 2008. Tinha 78 anos.

Lettry no encontro Blue Cloud de 2006, em Pouso Alto, MG. Os volantes são do carro de recorde Carcará

Depois desse rápido preâmbulo, o por quê deste post e respectivo título: o tráfego de veículos na Serra Velha está proibido há não sei quantos anos – dez, vinte, trinta? –, num eloqüente exemplo de irracionalidade, ou mesmo irresponsabilidade: alguém do governo paulista simplesmente achou que os brasileiros não merecem ou não têm direito passar por ali e desfsfrutar de um dos mais belos cenários do Brasil.

Agora, só "ecoturismo", passeios a pé! Onde houve até competição automobilística, onde até fábricas de automóveis testaram e desenvolveram seus carros, rodas não rolam mais ali agora. Surreal.

Só "ecoturismo" na Serra Velha de Santos (foto: venhaasampa.blogspot.com)

Aliás, esse tal de "eco-alguma-coisa" já está enchendo, não? Ecoturismo! Até EcoSport e EcoBoost, a Ford pegando carona no "eco"! Parece coisa do Batman: batmóvel, batlancha, batplano batnamorada, batcafé, batcasa...O único uso plausível do prefixo eco é para ecochato. É perfeito.

Imagine-se proibir o trânsito no Passo dello Stelvio, na Itália. Cairia o governo!

Passo dello Stelvio, na Itália (foto: eggy.egloos.com)



E se fechassem a Serra do Rio do Rastro, em Santa Catarina, cairia o governo?  Piada de 2013...

Serra do Rio do Rastro, em Santa Catarina (foto: jp-lugaresfantasticos.blogspot.com)

No lançamento do Prisma, em 2006, a GM programou descermos a Serra Velha e voltarmos pela Imigrantes. Um programa especial! Claro, com a devida "otorização" de alguma "otoridade". E havia no dia um nevoeirozinho de nada e os homens da GM, nervosos, não queriam que descêssemos. Que perigo, meu Deus! E aquela fila de Primas parados, aguardando não sei o quê. Até que me enchi e me "me arrisquei". O pessoal da GM não gostou muito, mas tiveram dois trabalhos, não gostar e deixar de não gostar. Quem quiser ver as impressões do Prisma desse dia, http://bestcars.uol.com.br/testes2/prisma-1.htm .

Nem quero nem pensar na hipótese de o tráfego Serra Velha estar proibido só porque poderia ser usada como rota de fuga do pedágio do "sistema" Anchieta-Imigrantes. Seria tacanhice demais.

Poderiam adotar um pedágio no trecho, por que não? E, claro, limitar o tráfego a automóveis, comerciais leves e furgões de passageiros (vans).

Quanto à "preservação do meio ambiente", é bom lembrar a essa gente de pensamento torto que os carros hoje poluem praticamente nada, nem pelo escapamento nem por perdas de óleo, e emitem pouco ruído. A fauna até aplaudiria a audiência em vez de protestar.

Nota: Depois que este post estava em rede, o leitor Carlos me lembrou que a Estrada da Graciosa, no Paraná, a PR-410 que liga a BR-116 Régis Bittencourt, no município de Campina Grande,  a Morretes e Antonina, no litoral, é aberta ao tráfego. Foi concluída em 1873 e em 1993 o trecho de serra foi considerado Reserva da Biosfera da Mata Atlântica pela Unesco (United Nations Educational, Scientific and Cultural Organization). Em boa parte a pavimentação é de paralelepípedos (poliédrico), coisa muito antiga, portanto, e a estrada é bem íngreme e sinuosa. De 860 metros de altitude desce o nível do mar em pouco mais 8 km, o que representa uma gradiente de cerca de 11%, quase o dobro da serra da Rodovia dos Imigrantes. Que sirva de exemplo para as "inteligentes" autoridades paulistas.

Temos mesmo um longo caminho a percorrer até podermos nos considerar uma Nação, com "N" maiúsculo. Outro dia li num dos comentários de leitor que o Brasil era um país novo, quer era preciso tolerar e entender certas condutas e hábitos – só que o Brasil foi descoberto em 1500 e os Estados Unidos, em 1492...faça as contas da diferença!

BS

115 comentários:

  1. Um dos meus sonhos atualmente é voltar a descer (de carro, óbvio) a Serra do Rio do Rastro, dessa vez acompanhado de minha namorada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fiz isso em outubro passado. Bom demais!

      Excluir
    2. Vou de moto. No carro você admira a paisagem. Com a moto sentindo o cheiro, o vento e a mudança de temperatura você faz parte dela.

      Excluir
    3. uma serra legal de descer também é a de ubatuba, são só 7 kms de descida mesmo, mas o visual é lindo e tem umas curvas cotovelos que são pura diversão, isso sem contar que no mei do caminho bem perto da estrada tem uma pequena cachoeira que até dá pra tomar banho.

      Excluir
    4. Willb, talvez seja bacana numa madrugada de meio de semana. No resto do tempo, o cheiro predominante é o de material de freio, consumido vorazmente pelos motoristas pé-de-freio que não sabem usar o câmbio, sobretudo automático. Uma pena. Ali só desço de ar ligado e recirculação ativada.

      Excluir
  2. Charmoso esse Peugeot.

    Até hoje não engulo que meus antepassados vieram para cá. Mas, se não tivessem vindo, talvez eu não tivesse nascido.

    E o que dizer da Austrália que foi colonizada por presidiários?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A Austrália é mais uma mostra de que o Brasil ser "novo" ou ter sido colonizado por desterrados e degredados não é desculpa. Canadá e EUA têm idades próximas ao Brasil, e a Austrália era uma colônia penal inglesa. E olha onde estão hoje...


      E não, não acho que o Brasil seria melhor se tivesse sido colonizado por ingleses, holandeses ou franceses. Iriam explorar esse território do mesmo jeito que os portugueses fizeram.

      Excluir
  3. Bob, segundo o wikipedia, ficou fechada por 12 anos até ser reaberta em 2004 para visitação. Se for isso mesmo, está fechada para carros desde 1992...

    ResponderExcluir
  4. Todo eco-chato histérico deveria ser condenado a ir andando para onde quer que fosse, inclusive longos percursos. E andando descalço, já que o atrito da sola do calçado com o piso libera partículas de borracha que "poluem o ambiente". Em tempo: outro dia um participante do blog também veio para cima de mim com esse papo de "somos um país jovem" como desculpa para o estado de coisas reinante aqui. Citei os E.U.A. e ainda um país bem mais jovem que o Brasil (Austrália) para demonstrar que essa desculpa não cola.
    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E o que dizer de certos países "velhos", mas que estão uma porcaria, como o Irã, China, etc.., não é?

      Excluir
    2. Oi Mr. Car,
      por favor leia meu comentario dirigido ao sr.Sharp abaixo.

      Excluir
    3. Anônimo 12/02/13 14:07hs: ontem a Mangueira perdeu uns décimos no desfile, e pronto: desespero, choradeira geral, só faltou neguinho enfiar uma bala na cabeça por causa disso. É por isso que as coisas estão como estão aqui, não por outro motivo. Aqui só se pensa em "circo", o resto que se dane. E pode dar 400, 800, ou 1200 anos de "desconto" por conta de diferenças de colonização, que isso vai ser bagunça até o final dos tempos.

      Excluir
    4. Mr. Car
      Oras bolas tenha santa paciência !
      Eu fiquei triste pela Mangueira a escola do meu coração
      Vc com bom carioca deveria se atentar mais para o Samba e Futebol
      Nem só de carros , motores potentes, rachas e correria vive e se faz uma sociedade
      Respeite nossos sentimentos
      Donizete


      Excluir
    5. Donizete
      Desculpe, mas falar em "sentimentos" por causa de "escola" de samba é muita futilidade. O Mr. Car está certíssimo no comentário dele. Nunca fui e nunca irei assistir ao "maior espetáculo da Terra". Que pretensão...

      Excluir
    6. Concordo Mr. Car. É uma tremenda baboseira, assim como qualquer paixão desmedida. No entanto devemos lembrar que nações desenvolvidas também tem as suas irracionalidades como os Hooligans, Pamplona e o 3º Reich (eles por eles mesmo).
      Acho que isso pode ser uma parte do problema mas não explica tudo.

      Pra mim o que falta realmente é aquele esforço a mais sabe? Fazer o melhor que puder para sentir que fez o melhor que pode. Isso acontece em todo o lugar, pode reparar.

      Excluir
  5. Não sou contra o ecologicamente correto - o problema é o exagero: que restrinja a circulação em estradas assim vai lá, mas colocar o uso do carro como O vilão de todos os problemas ambientais é demais! Olha que esses mesmos "ecochatos" não protestam veementemente contra o esgoto in-natura jogado na Baia de Guanabara no Rio, mas acham "cult" andar de bicicleta - que só tem lugar decente na Zona Sul - faça temporal ou 40º.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Antonio Canhota Jr
      Ou então nenhum ecochato ter levantado bandeira contra a criminosa derrubada das árvores da reta de Resende.na Via Dutra.

      Excluir
    2. Bob,

      de um engenheiro que conhece alguém lá da CCR; "a derrubada das árvores foi por questão de segurança. Evitar quedas por raios ou mesmo galhos secos na pista."

      Eles que sabem, não é?

      Excluir
    3. Robadey
      Se eles é que sabem, eu também sei: nunca, desde 1956 que passo pelo trecho, às vezes com céu caindo de tanta água, mais vento, vi esse tipo de obstáculo na pista. Crime mesmo, esteja certo. E se ainda fosse uma reta "de Autobahn", mas limitada a 110 km/h??? Esses caras estão brincando.

      Excluir
    4. Luiz,
      Até pode acontecer um acidente por causa de um galho, mas caso fosse feita a poda regular, qual a probabilidade disso ocorrer? Alias, será que já teve algum acidente em que a culpa tenha sido do galho da árvore? Isso me lembrou uma aula de programação que tive na faculdade em que o professor deu um exemplo de "programar uma pessoa para atravessar a rua" e exemplificando que têm condições que podem ser absurdas e devem ser ignoradas (ex: olhe para cima porque pode ter uma peça de um avião caindo - nada impede que isso aconteça, mas haja azar da pessoa!)
      Bob,
      Da última vez que passei pela Dutra percebi que tinha algo diferente, mas não sabia exatamente o que era - quando li o texto da avaliação do Clio, se não me engano, você comentou isso e aí que entendi. E essa estória de ecochato me lembrou o Greenpeace alguns anos atrás fechando a ponte Rio Niteroi de manhã cedo contra emissão de poluentes, sendo que não avisaram isso, e o que causaram foi um mega engarrafamento em Niterói e São Gonçalo - já não gostava deles, depois disso então!

      Excluir
    5. Sou PRF e trabalhava em Resende à época dos cortes de árvores.
      Eu mesmo atendi alguns acidentes naquele trecho, um com morto que perdeu o controle do carro ao desviar de um galho caído e veio a colidir contra a árvore.
      Concordo que era um trecho lindo, mas a meu ver uma vida humana salva,já paga por todas as árvores derrubadas.
      Cabe ressaltar ainda que muitas das árvores estavam apodrecidas, e muito vulberáveis a ventos e raios.

      Excluir
    6. Caro PRF
      Se havia árvores apodrecidas, que fossem derrubadas, é o que mentes esclarecidas fariam. Faltou seriedade e responsabilidade à concessionária da rodovia. Agora, se essa pessoa morreu só porque foi desviar de um galho de árvore, não duraria muito tempo ao volante de qualquer maneira. Bateria do mesmo jeito se fosse desviar de um cachorro.

      Excluir
    7. Contra dados não há argumentos - se houveram acidentes algo tinha que ser feito. Mas, como o Bob falou, não houve um certo exagero em cortar todas? Como falei antes, será que se tivesse havido cuidado com o estado das árvores ao longo dos anos esses galhos teriam caído?
      (Uma das coisas que me fizeram começar a comentar nesse site ultimamente têm sido o nível das discussões - fui eu questionar se houve acidente e vêm um PRF responder e justificar. Sensacional! Em outros sites é uma verdadeira baixaria)

      Excluir
    8. Antonio
      Aqui também era uma baixaria feroz, pois comentários entravam instantaneamente, sem moderação. Ontem fez dois meses que passamos a moderar e posso lhe afirmar que o ambiente foi totalmente "sanitizado". O que é mais notável, entretanto, é as rejeições seram mínimas, mostrando que os ratos, quando viram que não adiantava tentar postar, foram infestar outros sites e blogs. Outro fato é salientar é muitos leitores que tinham parado de comentar, pois o ambiente andava intolerável, voltarem a fazê-lo.

      Excluir
    9. Grande Bob,
      Novamente o PRF...
      Nesse caso do acidenet fatal, estava um temporal, visibilidade muito ruim, provavelemente ele viu o galho muito em cima e na manobra de desvio acabou por perder o controle.
      Outro problema com as árvores próximo à pista, é que em caso de saída de pista elas se tornam barreiras que aumentam em muito a gravidad de colisões contra as mesmas, aliás este é um dos piores obstáculos. Postes com a colisão tendem a cair, mas as árvores profundamnte enraizadas se tornam praticamente objetos fixos.

      Como disse acima concordo que aquele trecho era lindo e sinto muitas saudades daquela bela visão.
      Quanto à concessionária CCR certamente alémd a questão dos acidentes pesou o fator econômico, pois imagine o prejuizo causado por termos u a principal artéria economica do país, obstruída por arvores?
      Me lembro tb de vc ter comentado sobre a ponte de Bulhões q era em arco e ficava ao fim da reta das árvores no sentido RJ, esta foi remodelada, pois para passarmos caminhões com excesso de dimensão, se fazia necessário fazer uma contramão, operação que gerava transtornos, e muitas vezes acidentes no fim da fila (OK esses são causados por motoristas desatentos que não conseguem antever o tráfego parado à frente).
      Adoro o AE e me colcoo a disposição quando quiser falar sobre temas correlatos à polícia, basta me dar um endereço de email e terei prazer em entrar em contato.
      Abraço
      e Parabéns ao AE

      PRF

      Excluir
  6. A ideia do pedágio é muito boa, realmente liberada viraria um caos.
    Não que tenhamos carros demais, o problema é quem os dirige hoje em dia.
    Tenho que parar por aqui se não corro o risco de dizer quem dirigia carro a 30 40 anos atras e quem dirige hoje, ai eu seria processado ou minha resposta teria que ser impedida de constar no blog.
    Eu compreendo embora não aceite, sou um cara que atravessava na barca Rio - Niteroi sentado na proa, nos fds deixava a namorada em casa e ia pro pega na pracinha do Alto, dava cavalo de pau na reta em frente ao Autódromo, "namorava" com carro estacionado na floresta da tijuca, quando era pequeno minha mãe me mandava ir brincar com meus vizinhos que estavam de Caxumba, Sarampo e por ai vai, bebi água de mangueira no quintal, tomei inúmeros tombos de bicicleta descendo ladeira e preparei vários carrinhos de rolimã para andar vias publicas!
    Sobrevivi, seleção natural? Ainda defendo!
    Sou (somos) uma espécie em extinção.
    Já ia me esquecendo.
    O exemplo dos Alpes é perfeito.
    Acosta

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acosta
      Até hoje, com 70 anos, só bebo água da torneira. Acho--a mais confiável do que essas águas compradas. E meus pais me ensinaram o valor da vitamina S – "S" de sujeira – que nos imuniza contra bactérias, germes e vírus.

      Excluir
    2. Bob, é exatamente isso. Por sermos um país extremamente zeloso (esterilizar mamadeiras, andar com carro a velocidades mínimas, não sair de casa quando chove, embrulhar carne com filme especial, etc.) nossa população é doente e vive pouco e mal.

      No Japão (país mais avançado tecnologicamente do mundo), eles embrulham frangos no açougue com jornal. Se um açougue faz o mesmo no Brasil, é fechado na hora pela Vigilância Sanitária. E agora a pergunta: qual desses dois países possui o maior número de idosos ativos e a maior expectativa de vida?

      Excluir
    3. Estamos em vias extinção.
      Ninguem vai nos proteger lol!
      Acosta

      Excluir
    4. Lembrei outro dia que eu estava na oficina de um amigão meu fazendo uma preventiva no meu carro e ele veio me oferecendo um pão de queijo.
      Bem, como não tenho frescuras mesmo com graxa, meti a mão no pão de queijo e vi as impressões digitais já como não tinha muito o que fazer... sinceramente me lembrei do quanto mudamos desde quando somos crianças e geramos neuras! rs
      PS:Não tive reação adversa! rs

      Excluir
    5. Bob

      A água da Sabesp é uma das melhores, isso já foi mais que comprovado.

      De resto, só manter as tubulações em dia(se for de PVC, ok) e manter a caixa d`água limpa.

      Excluir
    6. Lorenzo Frigerio13/02/13 17:51

      Só recomendo não tomar água de torneira do Guarujá. Pode até ter mudado nos últimos anos, mas já passei bem mal fazendo isso. Na dúvida...

      Excluir
  7. Bob, creio que a solução seria reservar um dia da semana para "ecoturismo" a pé e liberar o tráfego de carros nos outros seis dias da semana, ótima solução não?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Douglas
      Perfeita a sua idéia.

      Excluir
    2. Ecoturismo que tem um significado tão idiota quanto os ecos da vida, zezinho vai de avião ou onibus ou carro até um lugar bem longe que ele não visitaria se não estivesse na moda e colocam o nome ecológico só porque passeou a pé no meio do mato

      Excluir
    3. E o estado poderia cobrar um ingresso/pedágio para custear a segurança e a manutenção, só permitindo a passagem de veículos leves.

      Excluir
    4. Sergio S.
      Essa seria a solução correta.

      Excluir
    5. E esses ecochatos, quando vão fumar maconha ou andar de bicicleta no pé da serra vão de que? Camelo? Jegue? A pé? Nessa hora o carro serve, não é mesmo?

      Excluir
  8. Bob;

    Permita-me discordar, mas acho que esbarra-se num problema de pedágios sim! Não se trata de tacanhice mas sim de custos!

    Para o viajante eventual, R$21,00 de pedágio pouco influencia mas para o viajante constante, isso acaba representando uma brutal perda de renda. O Paulistano não percebe isso pois mais de 90% não precisa pegar pedágio para ir trabalhar, mas quem precisa se deslocar por estradas para trabalhar sabe do que falo...Que o diga quem mora em Sertãozinho e trabalha em Ribeirão Preto. Ou quem precisa trablhar ao longo do sistema Anhanguera Bandeirates...

    Eu mesmo viajava sempre de carro para São Paulo até 2009. Viajava via Marechal Rondon até Laranjal onde entrava na Castello Branco, onde só pegava 3 pedágios (1 na Rondon e 2 na Castello, ao invés de 5. Hoje, para esse mesmo trajeto, temos 7 pedágios.

    Quer outro exemplo? Antigamente a Marginal da Castello branco era pedagiada e a Rodovia em si não. Quem quisesse ir ao Alphaville sem pedágio iria até o km 23 e voltava. Como muita gente começou a fazer isso, encravaram um pedágio na Rodovia expressa. Solução mais simples.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Daniel
      Não sou contra pedágio nem o número excessivo de trechos cobrados, mas sou contra as tarifas extorsivas cobradas aqui e, pior, com a conivência – cumplicidade? – do governo estadual. No caso de liberar o trânsito na Serra Velha, como seria apenas passeio (demora muito a viagem ao litoral por ela), não vejo problema em pagar pedágio ali.

      Excluir
    2. Bob;

      O problema das tarifas extorsivas dos pedágios paulistas só serão resolvidos quando vencerem as concessões daqui 8 ou 10 anos (não sei a duração dos contratos).

      Quanto a pedágio na Serra, pode ter certeza que deve haver algum impedimento de natureza econômica e/ou juridica senão nosso governo estadual já teria implantado e liberado o trecho...

      Excluir
    3. Corsário Viajante13/02/13 18:27

      BOm, no interior de SP é normal morar em uma cidade, trabalhar em outra, ter parente em outra, chácara ou sítio em outra... Usa-se muita estrada, então o pedágio é o inimigo número 1.
      O ponto-a-ponto está matando tudo isso, é impossível andar sem ser assaltado por tarifas absurdas.
      Isso para não falar na falência do turismo local, de ir passear em cidades vizinhas... Não vale mais a pena, a maioria acaba preferindo ficar em casa porque o custo é muito alto. Uma enorme pena pois o Estado de SP é muito bonito e cheio de pontos interessantes para ir e voltar no mesmo dia ou ficar um fds.
      Se um certo governador acha que vai se reeleger usando isso como bandeira, é melhor ter um plano B.

      Excluir
    4. Levantando a questão, por que não implantam desconto no pedágio de quem usa regularmente a mesma rodovia? Por exemplo, um "cartão fidelidade" com 50 passagens que desse 25% de desconto sobre a tarifa.

      Ah! Como pude? Esqueci que ninguém no Brasil tem a intenção de facilitar a vida do cidadão.

      Excluir
    5. O meio para fazer isso até já existe. É só dar desconto quando se usa o SEM PARAR. No entanto, pagamos tarifa cheia, num modelo econômico onde as "otoridades" acham que passagem sem parada completa já vale como "cartão fedelidade". Para onde vai a "redução do custo de mão de obra" por ter um atendente a menos?

      Excluir
  9. Eco qualquer coisa está na moda, e mais ainda porque tem um monte de gente idiota que quer resumir algo complexo em ideias simples(ou idéias, essa reforma ortográfica é um saco), para fazer um discurso bonitinho.

    Já discuti com um amigo que disse que os carros que tenho poluem demais - isso inclui uma Veraneio 1982 a gasolina - e que os mais novos não poluem quase nada, sendo bem melhores para todo mundo. Comecei a explicar os impactos gerados pela cadeia de produção de um carro e que dessa forma trocar de carro a cada dois anos poluiria bem mais que ter um carro antigo, já que este último já teria amortizado essa "dívida ecológica" há décadas. Além disso, também expliquei a relação com o mercado de usados e o maior número de veículos nas ruas e consequente maior poluição. Ele me respondeu dizendo que eu estava deixando o problema complexo demais...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como sempre, o cidadão médio com opinião formada por uma imprensa medíocre prefere o raciocínio simplista a discutir as verdadeiras questões que levam a soluções corretas e duradouras.

      Homer Simpson não ee o americano somente. Também temos os nossos!

      Excluir
  10. Carlos Eduardo12/02/13 13:55

    Eu adoraria poder dirigir na serra velha de santos, nunca pude pq não sou da época em que ela era aberta.
    As vezes eu dou uma passada naquela parte que ainda da para dirigir, no Riacho Grande, já é bem divertido.

    ResponderExcluir
  11. Sr. Sharp,
    fico sinceramente lisonjeado que um jornalista do seu calibre tenha me citado em um texto de sua autoria. Me permita apenas uma observação sobre a sua colocação, nos EUA o pessoal ia pra ganhar a vida aqui o pessoal veio acorrentado (embora lá também houvessem, aqui a proporção era muito maior). Além disso, o intuito de lá era povoamento e aqui extração. Desta forma, em minha opnião, acredito que possamos dar um desconto de pelo menos 400 anos pra nós. Claro isso não deve ser usado como justificativa para nossa inercia, mas deve ser levado em conta para o entendimento de nossa situação. Cada um de nós tem que tentar fazer mais e melhor para que possamos evoluir. E o papel do sr. como jornalista é fundamental mesmo que com opniões pessoais uma vez que elas sucitam boas discussões.

    Em relação ao texto, realmente é uma lastima a perda de uma estrada que parece tão bonita e por motivos aparentemente tão excusos (pedagio). Acho que medidas como esta carecem de provas para serem tomadas. No entanto gostaria de lembrar que muitos grupos "ecochatos" vem dos EUA, pais citado como exemplo de desenvolvimento.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E o que dizer da colônia penal australiana?

      Excluir
    2. Anônimo, cita as diferenças de colonização como fator determinante para o rumo evolutivo de nossa sociedade desde a colonização, mas então o que dizer da Austrália, antiga colônia penal?
      Se cá usaram para extrair riquezas, lá utilizaram como depósito de refugo humano, bem pior. Ainda assim, a Austrália é hoje um país de primeiro mundo, com excelentes índices de desenvolvimento humano.
      A matemática proposta não fecha, em especial o desconto de "400 anos".

      Excluir
    3. Leonardo e Charles
      Tudo bem que tudo lá tenha começado por uma colônia penal, mas o que interessa é quem administrava essa colônia. Aqui, como todo mundo sabe, o filho (D. Pedro I) acabou com o negócio da família (uma enorme colônia chamada Brasil) tornando-a independente de Portugal. Esse foi um dos maiores desastres do nosso começo.

      Excluir
    4. Eu tinha um professor - era juiz, hoje desembargador, Ruy Alberto Leme Cavalheiro - que sempre vinha com essa de menosprezar a Austrália porque foram colonizados por bandidos. Vejamos o desenvolvimento da Austrália perto de nós...

      Outra coisa que descobri, para chegar a um cargo maior, o juís deve sempre procurar não contrariar o que os tribunais já vem decidendo sobre a questão, ser puxa-saco, no popular. Ou seja, o livre convencimento do juís, no Brasil, e piada. Lembro que gerou revolta ele comentar que não deu pena máxima (ou próxima) a um latrocida, por incidir a atenuante genérica de ter entre 18/21 anos, tirando quase 1/3 da pena, "porque o tribunal decide assim".

      Desculpe mudar de tema, mas é bom saber como pensam os "todo poderosos" e "inteligentes".

      Excluir
    5. Bosley de La Noya12/02/13 20:45

      O mais engraçado de tudo isso, é que se não fosse a vinda da família real para o Brasil, estaríamos até pior nos dias de hoje.

      Gostemos ou não, os ricaços de Portugal trouxeram muita coisa na bagagem além do jeitinho e da corrupção. Dom Pedro I era uma anta, mas seu filho era um bom homem, que gostava do Brasil e muito contribuiu para que pelo menos tivéssemos algumas coisas que os europeus também desfrutavam na época.

      Se não fosse por ele, o Brasil hoje seria comparável a países como Haiti, Venezuela, Serra Leoa, Nigéria entre outros que não consigo lembrar, que ainda vivem na idade da pedra ou passam por disputas tribais e toda sorte de barbárias, que fariam a gente achar o Brasil de hoje um verdadeiro paraíso na Terra...

      Excluir
    6. Lorenzo Frigerio12/02/13 22:15

      Bob, D. Pedro I não "acabou com o negócio da família". D. João VI já estava ligado que o Brasil ia se tornar independente, porque o parlamento português vinha tentando reverter o status do Brasil de "Reino Unido" para "Colônia".
      Eles ordenaram que D. João VI voltasse a Portugal, e este então deu seu célebre conselho a D. Pedro, que ficou como regente: "se Portugal perder o Brasil, que seja para ti, e não para aventureiros (republicanos?)".
      D. Pedro não esqueceu o conselho; foi o primeiro "tapetão" da história do nosso País.
      Enfim, quem "rodou" foi o estúpido parlamento luso. E D. João provou ser bem mais esperto do que a História lhe atribui.

      Excluir
    7. Lorenzo
      Bela aula, obrigado. Mas será que não seria melhor se um brasileiro, desligado da Família Real, fizesse a independência? Será que não teríamos uma massa melhor? Como foi feito, não ficou muito "acerto em casa"?

      Excluir
    8. Bob,
      O que vemos são repetidos desastres quando brasileiros sobem ao poder, por isso acredito que o Brasil é um país que até agora não deu certo.

      Veja só o nosso ex-presidente da república Luiz da Silva e o nosso atual presidente do senado José Calheiros, eles são exemplos de como o brasileiro tem carência de bom senso causado por motivos culturais.

      Excluir
    9. Corsário Viajante13/02/13 18:29

      Já que o papo é este, me atrevo: o melhor governante que este país já teve em toda sua história sem dúvida foi D. Pedro II.

      Excluir
  12. Tentei subir uma vez entrando pela petrobras lá em cubatão. Enquanto conversava com o guarda da cancela minha moto ficou no descanso lateral e abriu um buraco no asfalto. Vai ver é por isso para justificar os inumeros recapeamentos mal feitos na estrada. Sou a favor de abrir a estrada, podemos fazer uma petição? E a casa de pedra, será que está conservada?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Luiz AG
      Grande idéia, fazer uma petição. Vou abrir uma.

      Excluir
    2. Onde eu tenho que assinar? Vamos pra cima Bob!!!

      Excluir
    3. Boa idéia mesmo. Devemos fazer uma petição. Quem a iniciar pode contar com minha assinatura.

      Se os políticos, sejam lá a que 'vertente ideológica ou partidária' seja unem-se para defender seus interesses, nós, entusiastas, devemos também nos unir pelos nossos interesses.

      Noves fora que sempre tem um política que fica de olho no ervanário de 'assinantes' de uma petição, pois são vistos como votos em potencial. Vamos imaginar que reunemos 30 mil assinaturas. Todo e qualquer político sabe que este número decide uma eleição.

      Podem contar comigo e mais algumas dezenas de assinaturas que consigo.

      Leo-RJ

      Excluir
    4. Sou morador de SBC e sempre frequentei a estrada velha,ia várias vezes a até a casa de pedra,outras vezes até o flutuante,me indgnava a "destruição"e bagunaça que o pessoal(povo)fazia com o patrimônio histórico,tanto da casa de pedra,quanto dos outros monumentos estrada abaixo,não se descia de carro há muito tempo,bem antes da ecovias,salvo alguns eventos,e o pior eram os macumbeiros que faziam despachos nas cachoeiras e bicas dágua que davam nojo,enfim,o lugar estava acabando,a melhor coisa que fizeram foi fechar aquilo,pois só assim se preservou aquele patrimônio,me lembro de passar em um trecho(a pé)descendo a estrada e ver uma parte desbarrancando,não havia outra maneira se não fechar para reformar tudo aquilo,pois do jeito que ia,iam destruir tudo,agora,qualquer um pode visitar,com mais conforto(van) e monitores,como deve ser feito,e melhor,sem despacho de macumba,sem pichação,sem trombadinhas assaltando lá no meio do percurso,está como deve ser,para pessoas civilizadas..

      Excluir
    5. Que maravilha pessoal! Assim que se faz!!!

      Excluir
  13. Bob, que beleza essa Serra do Rio do Rastro, e também o Passo dello Stelvio, com curvas "cotovelo". Como antigo fã do Vigilante Rodoviário, não deixei de notar o policial que, como o personagem, não usava capacete, mas quepe.

    Deviam liberar a estrada da Serra Velha mesmo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Luiz
      Eu também era fã do Vigilante Rodoviário. É uma lástima que esse tipo de produção nacional tenha acabado. E isso mesmo, usam quepe e não capacete!

      Excluir
  14. Em 2000 eu desci essa estrada 2 vezes de bike, tenho até as fotos,se quiser eu te envio, Bob, e você coloca aqui. Tem vários monumentos no meio do caminho. Mas para eu pegar essa estrada eu tinha que ir por uma tal Estrada do Lorena antes e depois entrar nela, mas agora fecharam até a entrada pelo mato da tal estrada do Lorena. Colocaram uma espécie de portal antes para os imbecis que vão a pé.

    ResponderExcluir
  15. Vejam neste link um exemplo de ser ecológico, não ecochato. uma solução simples, e não tem jeito de ser muito cara de se fazer. Mas aqui na Bananalândia...
    http://www.laparola.com.br/as-pontes-verdes-no-mundo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se funciona, então é um verdadeiro ovo de Colombo. Além de preservar as vidas dos animais, preserva as vidas do homens, evitando acidentes.

      Acredito que diferentemente dos humanos, os animais só atravessem pela passarela...

      Excluir
  16. Coincidência, acabo de voltar da Caminhos do Mar, rota que leva até a estrada velha. Usualmente vou lá para andar de bicicleta. Sigo de carro até pouco depois da saída para Ribeirão Pires, estaciono perto do Flutuante Netuno e de lá vou de bicicleta até onde é permitido seguir, uma portaria que dá acesso ao início da descida pela serra velha. Hoje é proibido ir daquele ponto em diante seja à pé, carro, bicicleta, moto, patinete ou o que for. Uma pena, pois desse ponto nem se vê as contruções antigas e sempre há agumas pessoas que chegam até essa portaria e descobrem que a viagem foi em vão. Pior, nem há a perspectiva de abrirem a rota novamente, pois segundo o funcionário que lá está, ainda não houve licitação para obras de melhorias...

    ResponderExcluir
  17. Não querendo bancar o chato, mas os Estados Unidos não foram descobertos em 1492, pois neste ano Colombo chegou nas Bahamas. Na ocasião ele não tinha noção de que havia descoberto um novo continente, pois queria acreditar que havia encontrado a Índia por uma rota diferente - por isso os nativos das Américas são chamados de "índios". Alias, o nome América foi cunhado para o novo continente pois foi Américo Vespúcio que identificou neste continente um novo mundo.
    O Brasil ganhou este nome não por ser um paraíso, mas justamente por ser um inferno tropical. Brasil vem de Pau-Brasil, uma árvore de madeira avermelhada. Logo, Brasil vem de brasa, mora? A maioria das pessoas que vinham para cá tinham o desejo de enriquecer e voltar para a Europa, ao contrário de quem ia para a América do Norte, ciente de que fariam uma nova e definitiva vida.
    Tal mentalidade faz muitos estragos no Brasil até hoje e São Paulo também sofre com isso: muita gente ainda vai para São Paulo tentar a vida com o sonho de voltar para o interior na aposentadoria.
    Onde as pessoas não se estabelecem para valer, não há como criar uma identidade cultural, por mais riqueza étnica e religiosa que exista. Por isso São Paulo não tem um prato típico, uma música autêntica, um estilo próprio de arquitetura - apesar de reunir todas as culinárias, sons e arquiteturas numa só cidade.
    Minha proposta para a estrada velha de Santos? Que ela seja usada por carros de placa preta feitos na Grande São Paulo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ? Se a estrada for reformada, será com dinheiro público, logo deverá ser aberta para todo mundo, e não para uma meia- dúzia de pessoas, até mesmo por que não é todo mundo que tem um antigo consevado, e consegue a placa preta.

      Excluir
    2. JT
      Só carros de placa preta seria discriminatório, um motivo não técnico, ao contrário, por exemplo, de só permitir o tráfego de veículos leves.

      Excluir
    3. Caros willb e Bob Sharp, concordo com vocês. Minha sugestão vinha de encontro com um evento anual para carros antigos. Agora me lembrei que já existe um, e parece que é pouco conhecido da maioria. Vide o link que registra uma edição ocorrida há poucos anos:
      http://www.mplafer.net/2010/03/estrada.html

      Excluir
  18. Bem, nao foi de carro mas foi de Bike.... Kkkkkk
    Eu desci a estrada velha 1 vez, o lugar e lindo até hoje lembro dos locais por onde passei, as curvas fechadissimas, a descida sempre muito forte, os casarões que eram usados pelos portugueses, o local e muito legal em todos os sentidos e olha que isso já faz uns anos, quando resolvi ir dar esse role tinjo entre 17, 18 anos o ano era algo como 93, 94, e já nessa época era proibido descer carros, me lembro que pra passar o posto de checagem tivemos que dar um balão no policial, fomos pela trilha do Lorena e depois de caminhar um bocado conseguir chegar até a estrada velha e agora sim continuar com a nossa viagem, na volta o policial nao deixou subirmos tivemos que subir pela Anchieta, foi algo frustrante de se passar, depois disso nunca mais voltei ao local.
    Acho como opiniao pessoal que nossas autoridades um bando de ignorantes, somos tratados sem o mínimo respeito nessa republica de bananas como diria um jornalista do mundo dos autos.

    Lamentável essa e a palavra, seria épico descer a estrada velha de santos de automóvel, essa seria sim uma verdadeira viagem ao passado.

    Ótima matéria!
    Abs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anderson
      É inadmissível esta serra estar fechado ao tráfego, depois de ter sido o que foi, como mencionei.

      Excluir
  19. Bob: no dia em que a ecochatice me proporcionar o ganho de ecodinheiro, aí eu até posso concordar.
    Trabalho com arquitetura de edificações e a busca pela ecosustentabilidade tira o nosso sono sem no entanto nos fazer financeiramente mais felizes por causa disso.
    Ainda bem que o Prisma fez o trajeto de descida, porque se tivesse que fazer a subida...
    Brincadeiras à parte, infelizmente o Brasil tem lindos caminhos sem a menor preservação, sem a menor possiblidade de uma exploração turística consciente. A serra velha de Santos ainda não conheço, o Rio do Rastro sim, mas os belos caminhos da Serra do Mar no Paraná e os de Paranapiacaba estão dominados pelas concessionárias de transporte ferroviário que não permitem o acesso e muito menos os passeios. É uma postura lamentável.

    ResponderExcluir
  20. CSS
    É mesmo uma mentalidade muito estranha. Coisa de cabeças doentes.

    ResponderExcluir
  21. Bob td bem?
    Creio que você conheça a estrada da graciosa no paraná certo? Ela é linda e ainda mantem uma parte em paralelepípedos. Ela é aberta a circulação é uma opção para se chegar ao litoral do paraná sem pagar pedágio da 277.
    abs
    Carlos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Carlos,
      Conheço bem essa serra. Muito ralis passam por ela. De fato, é um exemplo perfeito para os paulistas. Vou acrescentar ao texto. Obrigado pela atenção.
      Abraço!

      Excluir
    2. Bob,
      acompanho o blog há tempos, já comentei que após descobrí-lo, li
      retroativamente até a primeira postagem.
      Conferindo os novos comentários tive a grata surpresa de uma resposta sua e ainda por cima citando!
      Grande abraço.
      Carlos

      Excluir
  22. Só para lembrar o autor do texto ,que o partido que governa o estado mais rico da federação ,acusa outro partido (ENTRE OUTRAS ACUSAÇÕES)de ameaçar a liberdade individuais de expressão e deslocamentos ,enquanto eles não ameaçam ,cerceam ou tributam...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é... E falaram alguma mentira, por acaso? Ou vai dizer que o PT não sonha com isso. E cercear a descida da estrada velha é tão velho que acho que nem você se lembraria quem foi o responsável. Ou lembra?
      Além do mais, são todos uns ladrõezinhos. TODOS.

      Excluir
  23. Bob, onde eu acho o manual do câmbio do Santana, minha 3ª marcha está arranhando e queria tentar trocar o anel sincronizador... Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo 12/02/13 19:48
      Não sei, não posso ajudá-lo nisso, infelizmente.

      Excluir
    2. Lorenzo Frigerio12/02/13 21:55

      Tente na biblioteca do SENAI "Conde José Vicente de Azevedo", no Ipiranga. Uma advertência, porém: uns dez anos atrás, quando fiz um curso de câmbio automático, a VW não só proibiu o xerox dos manuais de serviço, como eventualmente ameaçou recolher os originais.
      Para você ter uma idéia, o curso que fiz era baseado no câmbio automático do Santana, e o xerox dos manuais, feito pelo próprio SENAI para uso nos cursos, foi proibido pela VW. O SENAI então xerocou os manuais da Ford, dado que o Versailles usava o mesmo câmbio.
      O fato de manuais de serviço de automóveis serem publicados e vendidos profissionalmente nos EUA, e aqui tratados como "segredo de estado", já foi comentado amplamente aqui no AE.
      Sugiro dar um pulo nessa unidade do SENAI, ou telefonar, e ver como anda a coisa atualmente; se você não puder sair com o xerox do legítimo VW, o do Versailles provavelmente estará disponível. Também existe um site do SENAI automotivo, pesquise no Google.

      Excluir
    3. Prezado Lorenzo:
      muito obrigado pela sua ajuda, vou pessoalmente no senai buscar informações, afinal moro no abc em santo andré e é relativamente perto, tenho dó de vender a quantum, embora tenha um carro novo, mas as trincas e os problemas constantes indicam a fim da vida util de um automovel.
      mas como é facil arrumar o ap e seu cambio a gente vai estendendo a vida util.
      ser autoentusiasta no brasil é ingrato, tem que garimpar, gostar e depender da sorte para entender de macanica. abraços.

      Excluir
    4. Julio Bomfim13/02/13 14:02

      Olá colega,
      tente também obter alguma informação no Fórum do Santana Fahrer Club (http://www.vwsantana.net/). Os caras são "feras" em Santana por lá.
      Abraço!

      Excluir
    5. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
  24. So para o registro, ate a Bosch anuncia que, em algumas cidades, o gas de escapamento e mais limpo que o ar admitido: http://bit.ly/WWnnGE

    ResponderExcluir
  25. Tive a oportunidade de andar ha mais de 30 anos na Estrada Velha do Mar, além dos motivos já expostos, perdemos um ponto turístico importante, pois foi exatamente o caminho usado por D.Pedro I quando subiu de Santos, parando nas casas que ainda estão lá, Casa de Pedra, Padrão de Lorena etc.
    Ao lado de Washington(20 minutos de metro) está WILIANSBURG que foi a primeira capital dos USA, após a independência, pois o governo americano paga para a população manter a originalidade da cidade como era em 1776, então o transporte é a cavalo ou carroções, as roupas de época não entrando carros e nem tem energia elétrica a cidade funciona diariamente até as 18 horas, após isso a população anda cerca de 1 Km. e vai para a New Williansburg uma cidade normal do século 21.
    Coronel Anônimo

    ResponderExcluir
  26. Lamentável. E trago más notícias: subi a BR 040 para Petrópolis hoje e me deparei com inúmeros novos postes de fiscalização eletrônica, principalmente no trecho entre Petrópolis e Itaipava. Estavam cobertos por sacos, mas devem entrar em operação em breve. O patrulhamento boçal chegou por lá. Subir a serra despreocupado, curtindo a paisagem? Não mais. Agora é atenção constante para evitar multas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caio
      Quanta boçalidade! O país está mesmo indo para o buraco. As pessoas não raciocinam mais.

      Excluir
    2. Caro Caio,

      A sanha arrecadatória vai transformar essa agradável subida a Petrópolis em uma viagem de tensão, justamente pelos inúmeros 'pardais'. Eu também já tinha reparado nisso semana passada.

      Lastimável...

      Leo-RJ

      Excluir
  27. Não imagino que a coisa seja por preservação... deve ser algo ligado a alguma questão financeira mesmo... mas concordo que o fechamento da estrada é um exagero. Quanto à questão de ecochato, acho que todo o exagero é ruim, até mesmo ser totalmente contra os ecologistas. Assuntos como ecologia, sustentabilidade, energia limpa etc estão aí para serem discutidos de forma séria, sem paixão.

    ResponderExcluir
  28. Lorenzo Frigerio12/02/13 22:05

    O Caminho do Mar sofreu um desabamento nos anos 80 e foi interditado. A estrada foi reformada por Maluf, ainda governador, e "reinaugurada" pelo mesmo embaixo de chuva, com monumento e tudo. Naquela época, só era permitido trafegar em um sentido, não me lembro se antes ou depois da reforma. Entretanto, se bem me lembro ela nunca mais voltou a abrir para carros. O pessoal costumava descê-la de bicicleta e, lá embaixo, colocava a bicicleta num bagageiro de ônibus para voltar, pela Anchieta.
    Desde então, já houve mais desabamentos, reformas e "reaberturas". Mas transitar por ela, que é bom, nada.

    ResponderExcluir
  29. Recentemente o canal Discovery Turbo passou um programa sobre motos na Itália, e um bloco inteiro foi reservado ao famoso "Passo dello Stelvio", que faz a festa dos motociclistas italianos, que vão em grupos e até mesmo sozinhos curtir o passeio na estrada com suas curvas que separam os homens dos meninos.

    Um ótimo detalhe na foto da "Passo dello Stelvio" publicada neste post é que, além das várias motos que ali estão, um típico carro americano - teoricamente mais apto às grandes retas americanas - ganha as curvas desta histórica estrada (digo apenas teoricamente, pois o modelo em questão é mesmo bom de curvas afinal).

    Leo-RJ

    ResponderExcluir
  30. Que não fechem a Serra de Ubatuba (SP-125)...

    ResponderExcluir
  31. Bob, mais uma; não entendi e/ou não percebi no texto: sabe me informar qual a razão dada pelas autoridades para o fechamento do trecho naquela época?

    Luiz Felipe.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Luiz Felipe
      Francamente, não sei. Mas foi que eu disse, lá era lugar onde as fábricas faziam testes e onde até houve prova de subida de montanha. É difícil admitir que houvesse um motivo técnico, mas mesmo que houvesse, o problema tinha de ser sanado, por mais complicado que fosse. É obrigação do estado. Afinal, temos ou não engenharia rodoviária para coisas muito mais complexas, com a própria serra da Imigrantes?

      Excluir
    2. Pensem em uma prova, tipo rally com carros históricos trafegando por essa Estrada? Com esse cenário seria fantastico!

      Excluir
    3. Na época em que foi fechada, foi simplesmente porque trechos da estrada ruiram em razão de deslizamentos na serra, e o pavimento estava em péssimo estado depois de anos de abandono. Levaram muitos anos para restaurar a estrada, e quando ficou pronta alguém achou que não deveria permitir o tráfego de carros. É possível que hoje nem se saiba mais o porque, mas eu chutaria que as razões foram ambientais e/ou de segurança... não acredito que tenha algo a ver com pedágio, pois neste caso era só deixar em mão única, para subida, como aliás chegou a funcionar durante algum tempo, ou cobrar pedágio nela também, que poderia servir para preservação ambiental e da própria estrada.
      O pior é que os monumentos históricos do caminho, tombados por sua importância, não podem ser visitados. Retrato do absurdo.
      Minhas lembranças da estrada são ainda de infância, meu pai a usava diariamente como alternativa à Anchieta, como muita gente fazia à época. Servia para fugir do pedágio, mas também para fazer uma viagem mais rápida, sem o trânsito pesado da Anchieta, antes da inauguração da Imigrantes.
      Fábio.

      Excluir
  32. Lorenzo Frigerio13/02/13 07:52

    Bob, idealmente, Tiradentes devia ter tido sucesso, mas foi traído por seus colegas. Os que não o traíram, fizeram penitência pública e comeram pizza. Vai confiar em colegas...

    ResponderExcluir
  33. Perdi a conta de quantas vezes desci e subi por ela, com mão dupla, mão simples, com chuva, neblina, sol, de noite, de dia. Ir pra praia? só se descer pela velha... Vez em quando abrem para passeios com os velhinhos, mas é uma novela mexicana conseguir as "autorizações" que, sempre limitam a quantidade de carros. Seria cômico não fosse o suprassumo do absurdo. Eu teria, até, motivos para detestar a estrada, afinal meu avô morreu num acidente por lá no longínquo ano de 1927. E não é o caso. A estrada é belíssima para passeios tipo rally, Curvas para todos os gostos inclusive uma saca rolha, tesão de contornar. Pois é Bob, cada vez fico com a impressão de que Bananalândia não tem conserto. triste.

    ResponderExcluir
  34. Carlos Miguez13/02/13 11:34

    Bob Sharp!!
    Parabéns pelo texto, mais um reflexo do que é hoje nossa vida nas mãos destes "burrocratas" engravatados de escritório com ar-condicionado. Quanto, especificamente, aos eco-chatos-anti-etílicos, lembrei-me de um texto do "Blog do Ralph Geisbrecht" com o nome de "Viver sem eletricidade":

    "O que fazer? Para os ecologistas que acham que podem viver sem ela, proponho criar uma área e que seja oferecida para eles e suas famílias se mudarem. Ali você poderia ter tudo o que quisesse – mas não teria eletricidade."

    Este blog fica, também, "dentro" do site "Estações Ferroviárias do Brasil", o qual acompanho deste 2005. Caso queira ler o texto completo o endereço é:

    http://blogdogiesbrecht.blogspot.com.br/2009/10/viver-sem-eletricidade.html

    Não há necessidade de postar este meu comentário.

    ResponderExcluir
  35. sadidão que ficou para traz.13/02/13 11:34

    bem amigos do AE não estou recebendo as atualizações do AE , recadrasto o email e sempre recebo a resposta =tupy2@intervip.com.br is already subscribed to the mailing list of AUTOentusiastas
    mas não adianta não recebo as atulizaçoes.

    ResponderExcluir
  36. Sabidão
    Logo hoje que vai entrar post com a sua sugestão de como achar o ponto do comando! Faça o seguinte, cadastre-se com outro nome, tido sabidão1, pode ser que o sistema aceite.

    ResponderExcluir
  37. A Estrada da Graciosa, além de bem conservada, Tem em muitos lugares paradas com churrasqueiras, água potável, quiosques e bancos para descansar. E é cercada, em vários lugares, com flores. Muito legal mesmo e um exemplo pro governo de São Paulo...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bem lembrado! Desci ela dois anos atrás. Belíssimo passeio. Recomendo a todos!

      Excluir
  38. Julio Bomfim13/02/13 13:58

    A trilha sonora perfeita já temos... agora só falta reabrir nossos carros:

    "Se você pretende
    Saber quem eu sou,
    Eu posso lhe dizer.
    Entre no meu carro
    E na estrada de Santos
    Você vai me conhecer.
    Você vai pensar que eu
    Não gosto nem mesmo de mim
    E que na minha idade
    Só a velocidade
    Anda junto a mim.
    Só ando sozinho
    E no meu caminho
    O tempo é cada vez menor...
    Preciso de ajuda!
    Por favor me acuda!
    Eu vivo muito só...

    Se acaso numa curva
    Eu me lembro do meu mundo,
    Eu piso mais fundo.
    Corrijo num segundo.
    Não posso parar!
    Eu prefiro as curvas
    Da estrada de Santos
    Onde eu tento esquecer
    Um amor que eu tive
    E vi pelo espelho,
    Na distância se perder,
    Mas se o amor que eu perdi,
    Eu novamente encontrar...
    As curvas se acabam
    E na estrada de Santos
    Não vou mais passar.
    Não! Não vou mais passar."

    (As curvas da estrada de Santos - Roberto Carlos)

    ResponderExcluir
  39. Achei duas páginas com informações do passeio na Estrada Velha:
    http://saopaulo.sp.gov.br/conhecasp/turismo_turismo-ecologico_serra-do-mar
    http://www.melhordesantos.com/2011/04/pertinho-de-santos-nucleo-itutinga.html

    ResponderExcluir
  40. Caro Bob,

    Junto com os ecochatos estão os biodesagradáveis.

    ResponderExcluir
  41. Rafael Pinto13/02/13 15:14

    Não conheci esta estrada (tenho 27 anos), mas li numa reportagem de um ex-engenheiro da GM que acompanhou o Opala, que eles iam para essa estrada em um cotovelo de quase 90º e mudavam a marcha de 4a para 1a para testá-lo...isso sim era um teste efetivo.

    Em tempo: esse fim de semana fui para o Guarujá pela Anchieta...limite de 50km/h na serra inteira é brincadeira.

    ResponderExcluir
  42. Bob, excelente a colocação deste problema. Realmente existem muitas antas em cargos de governo por aí. A idéia da petição foi ótima. Temos que ter o direito de conhecer esta estrada, sua paisagem! Quanta burrice!

    ResponderExcluir
  43. João Carlos Delay18/02/13 23:59

    Caro Bob Sharp.
    Primeiramente gostaria de cumprimentá-lo pelo trabalho, que acompanho há algum tempo, desde a época em que enviei comentários ao BCWS, acerca da "Lei Seca". Naquela ocasião teci comentários, que você apreciou, acerca da utilidade ou não da restrição à bebida alcoólica e a quem interessava mais a ação e os resultados (cidadão de bem, bandidos ao volante, seguradoras, etc.).
    Hoje você comenta o motivo de se impedir o trânsito em determinadas vias, sob os mais absurdos argumentos e eu, pessoalmente, tenho algumas idéias das causas.
    A primeira delas, e sem dúvida a mais importante, é o interesse econômico, mas não é a única. Lamentavelmente tenho visto, a cada dia que passa, a tomada de decisões nas esferas legislativa e executiva, totalmente desarrazoadas. Nossos homens públicos tem tido hoje, em todas os níveis profissionais, acesso a maior quantidade de informações acerca de como a coisas acontecem no Brasil e no mundo. Todavia, por falte de base intelectual, de escolaridade mesmo, limitam-se a ver tudo que "estrangeiro" faz e correr fazer igual no Brasil. Não tem cultura jurídica, não tem conhecimento em engenharia de trafego, em segurança, em nada, mas acham que servindo la fora, é ótimo para nós e, pior de tudo, sequer tem noção da viabilidade jurídica ou não de se implementar determinadas decisões.
    Assim, criam situações que batem de frente com a legislação brasileira, que afrontam os usos e costumes tradicionais do povo, variáveis em uma ou outra região, esquecendo que hábitos profundos não se alteram da noite para o dia, por decreto, mas antes por um longo trabalho educacional de base.
    E é isto que precisa ser feito para melhorar as coisas. Mudar as coisas por entender que elas podem ser feitas de maneira melhor e não por incapacidade de raciocinar para antever os resultados.
    Um grande abraço

    ResponderExcluir
  44. Essa estrada não está aberta pq está tudo caindo! crateras pra todo lado. Como no Brasil o povo não faz parte das instituições e os políticos se apossam de tudo, não há interesse nem financeiro nem político para reformar essa estrada para visitas.
    Veja o caso de quem quer descer de bike pra praia, é quase impossível. Tem que pegar a estrada da dersa que serpenteia a imigrantes, mas as otoridades fazem de tudo para proibir isso tbm, fora os bandidos que ocupam nosso litoral. A concessionária ganhando bilhões e não pode fazer um acesso turistico ao litoral?
    Uma solução interessante seria fazer só os muros de contenção mesmo e deixar a estrada toda só na terra, só para trilheiros descerem e subirem.

    Gui Bauer

    ResponderExcluir

Olá AUTOentusiasta, seu comentário é sempre bem-vindo! De preferência, identifique-se ao comentar.
Atenção: comentários contendo ofensas pessoais, a marcas, a fabricantes isoladamente e/ou em conjunto, a nacionalidade de veículos, bem como questionando práticas comerciais lícitas e margens de lucro aceitáveis nas quais este blog não interfere, bem como o uso de palavras de baixo calão e a exposição de outros leitores ao ridículo, não serão publicados. O AUTOentusiastas se reserva o direito de editar os comentários sem declinar motivo.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...